(¯`·._.· HELOÍSA ·._.·´¯)

Suas vivências: coerências e incoerências... sua viagem no Tempo presente, atravessando as pontes do passado.

Conterá Poesia, Prosa Poética e uma abordagem simplificada as diversas formas de ARTE.

Minha finalidade é aproveitar este *ESPAÇO* privilegiado, como veículo de comunicação,
para fazer isso mesmo: *COMUNICAÇÃO* e inter-acção entre quem escreve e quem lê e... vê:*VISITANTES DESTE ESPAÇO*

*PERDOEM A AUSÊNCIA DE ACENTOS*

(¯`·._) Escreva-me (¯`·._)

E-mail

(¯`·._) Meu banner (¯`·._)
Conversando com as Palavras
[ Código ]


(¯`·._) Amigos (¯`·._)

Conversando com as Palavras
ASHERA Concurso de Poesia 2008

Ora, vejamos...
Concurso de Poesia
@ Lulu.com
Contacto
ORA VEJAMOS
ALMA MINHA
137 A Base (inexata) da Ignorância
a Barca de Lyra
Afinidade Mily
Algo Tão Doce!
A Direccao do Voo MARIA DO CEU COSTA
Aqui Maria do Ceu Costa
Arde o Azul
A Procura de Cleopatra Marco Antonio
Ao Sabor da Aragem JMTleles da Silva
Art & Design de Isabel Filipe
Betanices BETANIA
Bodeguita
Branco e Preto I AMITA
Branco e preto
Canção de Outono
Cartas e Pensamentos
Casa de Contos
Ceu & Inferno_Larousse
Cidadão do Mundo
Conversas de Xaxa 4 PETER
E Deus Tornou-se Visível
Hora Absurda HENRIQUE
Encosta do Mar ANA
Entre Outras Mil
Et Alors
EternamenteMenina
Fabio Ulanin
From Within
Heloisa conversando com as palavras2
Holísticos
Hora Absurda II
Jornal Mil e Uma Notas
Letras Ao Acaso
Luz da Minha Alma
Oceano sem fim Antonio Soares
Ocasos
Ofeliazinha
Palavras de Algodao
pátria d'água
Pensamentos de Laura
Peter's
Poemas de Amor e Dor
Porto de Abrigo
Quem Tem Medo de Baby Jane
(re)Criando
Rodrigo Della Santina
Tem Poemas
Trilhas do Olhar
Velho da Montanha, O
Vagueando, Carlos
LAGOS (GELADOS) com ou sem CISNES...II,Valquielo Heloisa

*PARABENS MARIA AZENHA*
Word Land
Zadig

(¯`·._) Lembranças (¯`·._)



(¯`·._) Créditos (¯`·._)



This page is powered by Blogger. Isn't yours?

(¯`·._) domingo, agosto 27, 2006 (¯`·._)


*PARABENS TAIS POETISA DO AMOR E DO SONHO*

***PARABENS LINDA TAIS POETISA DO AMOR E DO SONHO QUE O EMBALA***


*AO DIA 27 DE AGOSTO*

O

DIA QUE TE VIU NASCER!

(Curiosamente, e' tambem um dia marcante para mim (ou....ERA!)

Que vivas mais um ano de Tua Linda e Produtiva VIDA em mais FELICIDADE, junto de TEUS FILHOS LINDOS, TEUS PAIS, FAMILIARES, AMIGOS E, TODOS A QUEM QUERES BEM E, TE FACAM BEM!

Aqui estou longe, com poucas possibilidades materiais ( e outras!...)mas, estas perto, porque por dentro do meu pensamento e, bem aninhadinha no meu coracao!

PARABENS* E MIL ABRACOS, MIL E UMA VENTURAS, TE DESEJO!

Como me fogem as palavras de minha propria autoria, aqui te deixo PALAVRAS "MAIORES" e... que sao ETERNAS!

*POESIA*
PARA UMA *POETISA DE ELEICAO, ALMA, E CORACAO*
(sangue e carne! poros!TUDO!)

BEIJO_TE COM O CORACAO!
_SE FELIZ_!

Heloisa.

..............

*AS PALAVRAS*
..............

As palavras

São como um cristal,

as palavras.

Algumas, um punhal,

um incêndio.

Outras,

orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.

Inseguras navegam:

barcos ou beijos,

as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,

leves.

Tecidas são de luz

e são a noite.

E mesmo pálidas

verdes paraísos lembram ainda.

Quem as escuta? Quem

as recolhe, assim,

cruéis, desfeitas,

nas suas conchas puras?

(Eugénio Andrade)
..................

_Retirado do excelente blog de PETER_CONVERSAS DE XAXA IV_
Mas de uma das edicoes anteriores!
Nao tive tempo de pedir ao meu caro Amigo PETER autorizacao para usar suas POSTAGENS mas, tenho a firme certeza que Ele, nao se zangara' comigo!


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

E... mais este:

*A PAIXAO DO MAR*
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

O Vento, qual comadre, ansiando espalhar os segredos do mundo, comentou comigo, a mais bela história de amor.



Parece que o Mar está apaixonado, e não é de agora, os vulcões que já são do tempo em que os oceanos nasceram, testemunharam um romance que não iguala mais nenhum que eu tenha lido em livros e ouvido em contos.



Foi-me revelado, num sussurro, que a Lua é a bela dama do Mar.



As marés são os sentimentos que transbordam da paixão do Mar. Elas sobem e descem ritmadas pela emoção gerada na contemplação da sua amada. Os búzios, que o Mar espalha nas areias à sua volta contêm as serenatas ao seu amor, que podem ser escutadas por todos os que estiverem atentos.



Mirei a Lua como se fora a primeira vez. Aquela Lua tão pálida, tão solitária, provocava tufões de desejos e maremotos que afogavam as praias distraídas no seu ciúme.



Conta o Vento que naqueles dias em que o Mar sofre na ânsia de alcançar a sua paixão, ele se revolta engolindo, com inveja, amantes que se atrevem a navegá-lo.



E, um dia, o Mar pediu à Lua, que fizesse amor com ele, mergulhando-lhe o misterioso fundo escuro onde guarda as suas maiores confidências. Mas a Lua recusou, continuando o rodopio da valsa com a terra, ignorando altiva, o desespero amoroso do seu pretendente, permanecendo perdida nos seus ideais, e por isso, solitária num espaço negro salpicado de estrelas esperando, ainda, um amor mais redondo, mais profundo, menos revolto, sem marés e silencioso.



Esse desdém deduzo, explica as oscilações do seu humor. Ela enche-se todos os meses iluminando com o reflexo do sol os cantos escuros do Universo, vasculhando eternamente à procura de um companheiro que não lhe prometa nada, mas que lhe permita ser tudo.



O Vento, bisbilhoteiro, mandou um dia as nuvens espiarem o Mar. Elas espalharam-se pela terra cumprindo a missão de satisfazer a curiosidade do mestre dos céus, e voltaram com a mensagem de que a imensidão azul não perde a esperança de um dia seduzir a Lua.



E a Lua continua a provocar o Mar, sensual no seu luar, resplandecente na sua dança, sem saber que aquela paixão contida e infinita pretendem alcançá-la num tempo, numa espuma de sensações cantadas sob o abraço solidário do céu.



Que grande é o amor do Mar!



Agora entendo a sua força selvagem, a inconstância das suas ondas, a implacável dureza da sua personalidade. Reconheço-lhe a sensibilidade, a transparência própria de quem ama profundamente. Aquela sabedoria de quem aprendeu a viver, em cada dia que passa, mergulhado num amor não correspondido, que o transforma no depósito das lágrimas do mundo.



Talvez por isso eu ame o Mar... será que lhe invejo o drama?



Admiro a Lua, na sua ingenuidade, comovo-me com a sua solidão, a solidão da procura eterna de algo que ela acredita existir, sem saber se existe alcançá-lo.



Se o Mar chora a indiferença da Lua que nunca lhe mostra a sua face escura, eu choro com a Lua porque mesmo que o Mar se renda ao seu esplendor, ela permanece fiel a si própria, aguardando a realização plena dos seus sonhos, descansada na noite, e tímida na luz do dia.



Que profunda é a solidão da Lua!



Satisfeito o Vento retira-se agora, numa brisa discreta, procurando outro canto do mundo, para contar a mesma história, de um amor que o Mar tem.



[Não sou o mar. Sou o Porto de abrigo, também eu fustigado pela separação a que ele nos obriga tiranamente.



Tu és a Lua feiticeira.] A quem amo mais que a alguém!



Vem Lua de amores e encantos. Vem e deixa-me mergulhar nas profundezas do teu ser que idolatro. E deixa-me dizer-te que te amo!"



(_In "Pisar o isco"-)

Autoria de LETRAS AO ACASO (ZE')
_Tambem, nao Lhe pedi permissao, agora, mas... FAZ TEMPO ( mais do que uma vez)
que ELE me autorizou a utilizar, TUDO, o que eu quisesse de SUA AUTORIA!

_OBRIGADA ZE'_!

Pretendo Homenagear minha AMIGUINHA com PALAVRAS SABIAS, POETICAS E...MELHORES QUE AS MINHAS!
...................

E... ainda, mais ESTAS* de uma OUTRA*
POETISA QUE DISPENSA MEUS GASTOS ADJECTIVOS:


*DAS NASCENTES*

1.

pousa devagar sobre o verde
sobre o ar sobre a água da paisagem
que as folhas vêm coroar
muito antes de chegar
a tarde

2.

a mulher é uma abelha de segredos
que se abre
à pulsação do vento

3.

arde viva no interior das casas
com imagens de constelações de água

ela é tão bonita ao relento
das nascentes


4.

é leve como um cisne



*óleo-poema , maat*

E...

magoa ver uma rosa cair
no chão das cidades.
as pétalas são tão frágeis.

como os sem abrigo carregam o vento às costas
por entre as cabanas dos homens.


eu nunca vou fechar os olhos.




(foto-poema de maat)
************************

(DE MINHA AMIGA MAAT*: tambem ELA, ja' me autorizou, a "utilizacao de SEUS POEMAS E PINTURAS (PINTURAS QUE SAO POEMAS E...POEMAS QUE SAO PINTURAS!)_OBRIGADA MINHA AMIGA! COM SUA OBRA HOMENAGEIO MINHA LINDA *TAIS* ABRACANDO *AS DUAS*, NUM MESMO ABRACO, DE HOMENAGEM E CARINHO_OBRIGADA POR ESTAREM NA MINHA VIDA_!
(RETIRADO DE SEU MARAVILHOSO BLOG: *ARDE O AZUL*

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

E... AGORA, FINALIZO com *UM POEMA* DE TUA PROPRIA AUTORIA* MINHA QUERIDA *TAIS*:


*****

Andando pelo mundo descobri-me quieta em um canto.
Decobri meu silêncio poético.
Descobri que estive muda.

Achei tantas coisas boas espalhadas por aí.
E mais.
Descobri-me em mim mesma.
Descobri que a minha busca incessante estava tão perto.
E eu buscava tão longe...

Caminhei por tantos caminhos tortos.
Subi íngremes trechos.
Suei ao longo de desertos que criei.
Investiguei a morte do meu sorriso,
Bati tanto a tez pelos muros da vida que em determinado momento vi que tinha cicatrizes enormes em minha testa.
Resolvi parar.
Encontrei uma fonte.
Nela bebi a mais fresca água.
Envolvi-me em conversações e negociatas.
Participei de contravenções de espírito.
Caminhei para tão longe de mim mesma que perdi-me de mim.

Vivi momentos que imaginei nunca mais sair do obscuro planeta no qual me exilei.
Senti-me presa.
Senti-me tão inútil.
As amarras que me prendiam pareciam tão fortes....

Mas uma estrela brilhante passou pelo meu caminho.
Esticou seus braços cintilantes e me puxou com firmeza.
Me enfeitiçou a lua prateada.
e vi.
enfim enxerguei que o embaçamento de minh'alma vinha de mim mesma.
E sorri.
Sorri por descobrir que fui tão sórdida imaginando meus dias e minhas noites de forma tão medíocre.
Me vi tão afundada dentro de meu próprio umbigo que resolvi me desamarrar de ilusões tardias e mundanas.

Então fugi.
Fugi do mundo que eu mesma havia criado.
E com unhas coloridas e lápis de cor aquareláveis desenhei um mundo melhor.
Mil vezes mais bonito.
Lá coloquei rostos sorridentes e me desfiz das mazela e sofreres que carregava em minhas costas.

Eu enfim criei uma nova mulher.
Sem máscaras.
Sem rugas.
Sem ódios.
Feliz...!!!




(Posted by Nefertari, em 4:39 PM)

_EM 18.12.03_


E...E', *FELIZ*, QUE QUERO QUE ESTEJAS: HOJE*! ONTEM*! E...AMANHA*_UM BILIAO DE AMANHAS*_!!!

MEU CORACAO E ALMA SEGUEM, AI', NUMA NUVENZITA_VAI VER_!!!

Heloisa.
***************


Escrito por Heloísa às 4:45:00 da tarde.

1 Comments:

At sexta-feira, 20 novembro, 2009, Anonymous Anónimo said...

Sim, provavelmente por isso e

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home





***PARABENS LINDA TAIS POETISA DO AMOR E DO SONHO QUE O EMBALA***

*AO DIA 27 DE AGOSTO*
_DIA QUE TE VIU NASCER_!

(Curiosamente, e' tambem um dia marcante para mim (ou....ERA!)

Que vivas mais um ano de Tua Linda e Produtiva VIDA em mais FELICIDADE, junto de TEUS FILHOS LINDOS, TEUS PAIS, FAMILIARES< AMIGOS E TODOS A QUEM QUERES BEM E TE FACAM BEM!
Aqui estou longe, com poucas possibilidades materiais ( e outras!...)mas, estas perto, porque por dentro do meu pensamento e, bem aninhadinha no meu coracao!

PARABENS E MIL ABRACOS MIL E UMA VENTURAS TE DESEJO!

Como me fogem as palavras de minha propria autoria, aqui te deixo PALAVRAS "MAIORES" e... que sao ETERNAS!

*POESIA*
PARA UMA *POETISA DE ELEICAO, ALMA, E CORACAO*
(sangue e carne! poros!TUDO!)

BEIJO_TE COM O CORACAO!
_SE FELIZ_!

Heloisa.

..................

*AS PALAVRAS*
..............

As palavras

São como um cristal,

as palavras.

Algumas, um punhal,

um incêndio.

Outras,

orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.

Inseguras navegam:

barcos ou beijos,

as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,

leves.

Tecidas são de luz

e são a noite.

E mesmo pálidas

verdes paraísos lembram ainda.

Quem as escuta? Quem

as recolhe, assim,

cruéis, desfeitas,

nas suas conchas puras?

(Eugénio Andrade)

_Retirado do excelente blog de PETER_*CONVERSAS DE XAXA IV_
Mas de uma das edicoes anteriores!
Nao tive tempo de pedir ao meu caro Amigo PETER autorizacao para usar suas POSTAGENS mas, tenho a firme certeza que Ele, nao se zangara' comigo!


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

E... mais este:

*A PAIXAO DO MAR*
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

O Vento, qual comadre, ansiando espalhar os segredos do mundo, comentou comigo, a mais bela história de amor.



Parece que o Mar está apaixonado, e não é de agora, os vulcões que já são do tempo em que os oceanos nasceram, testemunharam um romance que não iguala mais nenhum que eu tenha lido em livros e ouvido em contos.



Foi-me revelado, num sussurro, que a Lua é a bela dama do Mar.



As marés são os sentimentos que transbordam da paixão do Mar. Elas sobem e descem ritmadas pela emoção gerada na contemplação da sua amada. Os búzios, que o Mar espalha nas areias à sua volta contêm as serenatas ao seu amor, que podem ser escutadas por todos os que estiverem atentos.



Mirei a Lua como se fora a primeira vez. Aquela Lua tão pálida, tão solitária, provocava tufões de desejos e maremotos que afogavam as praias distraídas no seu ciúme.



Conta o Vento que naqueles dias em que o Mar sofre na ânsia de alcançar a sua paixão, ele se revolta engolindo, com inveja, amantes que se atrevem a navegá-lo.



E, um dia, o Mar pediu à Lua, que fizesse amor com ele, mergulhando-lhe o misterioso fundo escuro onde guarda as suas maiores confidências. Mas a Lua recusou, continuando o rodopio da valsa com a terra, ignorando altiva, o desespero amoroso do seu pretendente, permanecendo perdida nos seus ideais, e por isso, solitária num espaço negro salpicado de estrelas esperando, ainda, um amor mais redondo, mais profundo, menos revolto, sem marés e silencioso.



Esse desdém deduzo, explica as oscilações do seu humor. Ela enche-se todos os meses iluminando com o reflexo do sol os cantos escuros do Universo, vasculhando eternamente à procura de um companheiro que não lhe prometa nada, mas que lhe permita ser tudo.



O Vento, bisbilhoteiro, mandou um dia as nuvens espiarem o Mar. Elas espalharam-se pela terra cumprindo a missão de satisfazer a curiosidade do mestre dos céus, e voltaram com a mensagem de que a imensidão azul não perde a esperança de um dia seduzir a Lua.



E a Lua continua a provocar o Mar, sensual no seu luar, resplandecente na sua dança, sem saber que aquela paixão contida e infinita pretendem alcançá-la num tempo, numa espuma de sensações cantadas sob o abraço solidário do céu.



Que grande é o amor do Mar!



Agora entendo a sua força selvagem, a inconstância das suas ondas, a implacável dureza da sua personalidade. Reconheço-lhe a sensibilidade, a transparência própria de quem ama profundamente. Aquela sabedoria de quem aprendeu a viver, em cada dia que passa, mergulhado num amor não correspondido, que o transforma no depósito das lágrimas do mundo.



Talvez por isso eu ame o Mar... será que lhe invejo o drama?



Admiro a Lua, na sua ingenuidade, comovo-me com a sua solidão, a solidão da procura eterna de algo que ela acredita existir, sem saber se existe alcançá-lo.



Se o Mar chora a indiferença da Lua que nunca lhe mostra a sua face escura, eu choro com a Lua porque mesmo que o Mar se renda ao seu esplendor, ela permanece fiel a si própria, aguardando a realização plena dos seus sonhos, descansada na noite, e tímida na luz do dia.



Que profunda é a solidão da Lua!



Satisfeito o Vento retira-se agora, numa brisa discreta, procurando outro canto do mundo, para contar a mesma história, de um amor que o Mar tem.



[Não sou o mar. Sou o Porto de abrigo, também eu fustigado pela separação a que ele nos obriga tiranamente.



Tu és a Lua feiticeira.] A quem amo mais que a alguém!



Vem Lua de amores e encantos. Vem e deixa-me mergulhar nas profundezas do teu ser que idolatro. E deixa-me dizer-te que te amo!"



_In "Pisar o isco"-

Autoria de LETRAS AO ACASO (ZE')
_Tambem nao Lhe pedi permissao agora, mas... FAZ TEMPO ( mais do que uma vez)
Que ELE me autorizou a utilizar TUDO o que eu quisesse de SUA AUTORIA!
_OBRIGADA ZE'!
Pretendo Homenagear minha AMIGUINHA com PALAVRAS SABIAS< POETICAS E...MELHORES QUE AS MINHAS!

E... ainda mais ESTAS:


*DAS NASCENTES*

1.

pousa devagar sobre o verde
sobre o ar sobre a água da paisagem
que as folhas vêm coroar
muito antes de chegar
a tarde

2.

a mulher é uma abelha de segredos
que se abre
à pulsação do vento

3.

arde viva no interior das casas
com imagens de constelações de água

ela é tão bonita ao relento
das nascentes


4.

é leve como um cisne



*óleo-poema , maat*

E...

magoa ver uma rosa cair
no chão das cidades.
as pétalas são tão frágeis.

como os sem abrigo carregam o vento às costas
por entre as cabanas dos homens.


eu nunca vou fechar os olhos.




(foto-poema de maat)
************************

(DE MINHA AMIGA MAAT*: tambem ELA, ja' me autorizou, a "utilizacao de SEUS POEMAS E PINTURAS (PINTURAS QUE SAO POEMAS E...POEMAS QUE SAO PINTURAS!)_OBRIGADA MINHA AMIGA! COM SUA OBRA HOMENAGEIO MINHA LINDA *TAIS* ABRACANDO *AS DUAS*, NUM MESMO ABRACO, DE HOMENAGEM E CARINHO_OBRIGADA POR ESTAREM NA MINHA VIDA!)

E... AGORA, FINALIZO com *UM POEMA* DE TUA PROPRIA AUTORIA*:


***********************************

Andando pelo mundo descobri-me quieta em um canto.
Decobri meu silêncio poético.
Descobri que estive muda.

Achei tantas coisas boas espalhadas por aí.
E mais.
Descobri-me em mim mesma.
Descobri que a minha busca incessante estava tão perto.
E eu buscava tão longe...

Caminhei por tantos caminhos tortos.
Subi íngremes trechos.
Suei ao longo de desertos que criei.
Investiguei a morte do meu sorriso,
Bati tanto a tez pelos muros da vida que em determinado momento vi que tinha cicatrizes enormes em minha testa.
Resolvi parar.
Encontrei uma fonte.
Nela bebi a mais fresca água.
Envolvi-me em conversações e negociatas.
Participei de contravenções de espírito.
Caminhei para tão longe de mim mesma que perdi-me de mim.

Vivi momentos que imaginei nunca mais sair do obscuro planeta no qual me exilei.
Senti-me presa.
Senti-me tão inútil.
As amarras que me prendiam pareciam tão fortes....

Mas uma estrela brilhante passou pelo meu caminho.
Esticou seus braços cintilantes e me puxou com firmeza.
Me enfeitiçou a lua prateada.
e vi.
enfim enxerguei que o embaçamento de minh'alma vinha de mim mesma.
E sorri.
Sorri por descobrir que fui tão sórdida imaginando meus dias e minhas noites de forma tão medíocre.
Me vi tão afundada dentro de meu próprio umbigo que resolvi me desamarrar de ilusões tardias e mundanas.

Então fugi.
Fugi do mundo que eu mesma havia criado.
E com unhas coloridas e lápis de cor aquareláveis desenhei um mundo melhor.
Mil vezes mais bonito.
Lá coloquei rostos sorridentes e me desfiz das mazela e sofreres que carregava em minhas costas.

Eu enfim criei uma nova mulher.
Sem máscaras.
Sem rugas.
Sem ódios.
Feliz...!!!




(Posted by Nefertari, em 4:39 PM)

_EM 18.12.03_
E...E' FELIZ QUE QUERO* QUE ESTEJAS: HOJE*! ONTEM*! E...AMANHA*_UM BILIAO DE AMANHAS*!!!!!!!

MEU CORACAO E ALMA SEGUEM AI' NUMA NUVENZITA_VAI VER_!!!

Heloisa.
***************


Escrito por Heloísa às 2:43:00 da tarde.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home